sexta-feira, dezembro 16, 2005

o amor

Continuei o meu jogo pela madrugada dentro. Fechava o livro e pensava, tenho de dormir, fechava o livro, mas voltava a abri-lo. Abria o livro ao acaso depois de te o ter fechado e lia mais um poema, fazendo cada palavra demorar-se na boca, nos olhos, na cabeça. em cada palavra ficava um bocadinho sentada lá dentro, aconchegada, ou com medo, ou com certezas. ou com mais palavras apenas. com as minhas palavras não ditas. porque nunca soube escrever poesia.

É manhã e volto a repetir o jogo:


fico admirado quando alguém, por acaso e quase sempre
sem motivo, me diz que não sabe o que é o amor.
eu sei exactamente o que é o amor. o amor é saber
que existe uma parte de nós que deixou de nos pertencer.
o amor é saber que vamos perdoar tudo a essa parte
de nós que não é nossa. o amor é sermos fracos.
o amor é ter medo e querer morrer.


(p. 57)

é exactamente isso. o amor é tudo o que dizes. tudo e apenas.

2 Comments:

At 16 dezembro, 2005 10:40, Blogger Maria Noronha said...

muito bem! em divagações bloguísticas (para posteriores ligações), encontrei-te. gosto

 
At 26 abril, 2007 22:32, Anonymous Anónimo said...

Looking for information and found it at this great site... home based business statewide dance competition and minnesota acura suv funny t shirt shopping shoes Coby dvd players tf dvd 5010 chevrolet window Infiniti beta hcs cruises

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home